segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Quem tem medo do Lobo Mau?


Na revista The Economist, da semana de primeiro de setembro (é, estou um mês atrasado), a matéria de capa perguntava "Quem tem medo do Google?".
Realmente poucas empresas no mundo tiveram um crescimento exponencial de forma tão rápida quanto o Google teve. Esse crescimento deixa o Google, que tem suas ações listadas em bolsa, com um valor de mercado absurdo e - principalmente - extremamente capitalizado para comprar qualquer concorrente que possa surgir. Mas a questão não é essa, e sim a quem o Google está incomodando? Com o crescente número de buscas de conteúdo através da máquina Google as redes de televisão, os editores, os donos de jornais e todos os demais provedores de conteúdo estão irritados porque - segundo eles - o Google ganha dinheiro com anúncios em cima da busca do conteúdo que não é dele.
Agora, além deles, outros estão se juntando ao coro dos descontentes: Alguns políticos, alguns intelectuais e vários acadêmicos de respeito, estão questionando a lógica Google. Ou seja, o princípio da máquina Google de anúncios é de oferecer conteúdo - e anúncios obviamente - baseados no seu hábito de consumo de conteúdo, e essa é a razão de sua eficiência. Cada vez que você se loga em qualquer serviço Google (Google Earth, Gmail, Blogger, Search, etc...) o Google vai aprendendo sobre você. E ele é eficiente por isso, porque te conhece e te oferece, cada vez mais, o que você quer. A contra-partida desse aprendizado é que ele viola a sua privacidade. Ou seja, ele conhece você e tem seus dados armazenados, como nenhuma outra empresa jamais teve. E para te oferecer conteúdo adequado, necessariamente, ele tem que recorrer ao o que ele sabe sobre você.
Uma comparação feita pelo The Economist é que o Google está mais para o JP Morgan do que para a Microsoft. O que isso quer dizer? Que o princípio do sistema bancário é que de existe um "guardião" da sua vida financeira. Alguém que pega seu dinheiro e o repassa para outros intermediando essa "venda do dinheiro". O que o Google está fazendo hoje é que ele está se tornando um "guardião" das mais variadas informações da sua vida, e trocando isso por praticidade para você e resultados para os anunciantes.
Enquanto a pressão da "praticidade" oferecida gratuitamente for aceita pelos usuários, o Google vai sobreviver sozinho. Se a pressão da privacidade ultrapassar o limite aceitável pelos usuários, o Google poderá ter que abrir seu modelo de negócios. Só o tempo vai dizer se o Google é o Lobo Mau ou o Chapéuzinho vermelho.

7 comentários:

erik disse...

concordo com essa matéria em alguns aspectos o google é a marca mais cara do mundo mas o que exatamente o google vende ou faz pra valer tanto?

eu acho meio esquisita essa história sinceramente

abraços

erik-machado@hotmail.com

Alexandre disse...

Boa matéria Márcio.
Quem deterá o Google? Não existe mais privacidade.
Foi através do google que achei você.

Abs

Preciso falar com você

mazonicouto@gmail.com

Marcela Diniz disse...

Lobo mau ou chapeuzinho não importa.
O mais interessante dessa nova onda que o Google e seus diversos serviçoes traz é que, a cada dia mais, se torna um fenômeno muito importante para a comunicação.
Ele revolucionou os buscadores na grande rede e, cá entre nós, ele já quebrou o galho de muitaaaa gente não é mesmo?
Quem nunca recorregou ao google para fazer algum tipo de pesquisa?!
rs

Eu serei sempre uma defensora da liberdade da informação, desde que essa venha ajudar os usuários! O que EFETIVAMENTE acontece no caso Google!

Bjinhus Márcio!
Bjão pra princesinha aí..
:-)

Marcela Diniz disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Albertino Pimenta disse...

Ótima matéria, Márcio.
O tema da minha monografia foi o modelo de negócios do Google. Desde então me tornei um admirador de Page e Brin, os fundadores.

Rotular o Google de vilão, eu acho demais. Mas de mocinhos eles não têm nada.

Forte abraço.

Guto Senra disse...

Eu acho que Google é a vovozinha, que sabe das coisas mas pode ser comida por um Lobo Mau a qualquer momento, e não vai ter Chapeuzinho Vermelho ou Caçador que o salve.

Lembram quando surgiu Yahoo?

elisa disse...

Concordo com a pessoa que disse que o Google não é vilão, mas que de bonzinho não tem nada... Agora muitas vezes ele facilitou a nossa vida, ah isso sim...
Adorei o blog professor.
Abs,
Elisa